Pulmonology Pulmonology
Rev Port Pneumol 2012;18:188-9 - Vol. 18 Num.4 DOI: 10.1016/j.rppneu.2011.12.002
Comentário
Testes de sensibilidade à pirazinamida em todos os isolados do complexo Mycobacterium tuberculosis – uma análise crítica
Pyrazinamide susceptibility testing in all isolates of the Mycobacterium tuberculosis complex – a critical analysis
J. Cunha
Laboratório de Micobacteriologia do Centro de Diagnóstico Pneumológico do Porto, Administração Regional de Saúde do Norte, Porto, Portugal

O reconhecimento, pela Organização Mundial da Saúde (OMS), em 1950, do risco que constituía a tuberculose bovina para a saúde pública, levou à implementação por parte dos governos de medidas de controlo que compreendiam entre outras, a pasteurização do leite, a inspecção sanitária rigorosa das carcaças nos matadouros, o abate de bovinos com testes tuberculínicos positivos e a restrição da circulação animal a partir das explorações infectadas. Estas medidas levaram ao controlo ou mesmo à erradicação da tuberculose bovina. A tuberculose devida ao Mycobacterium bovis (M. bovis) é, portanto, uma zoonose ocupacional, sendo considerados como grupos de risco as comunidades rurais, os criadores e tratadores de gado, trabalhadores da indústria da carne, veterinários e funcionários dos zoológicos1,2.

A infecção humana por M. bovis é, actualmente, considerada rara nos países desenvolvidos, sendo responsável por cerca de 1% de todos os casos de tuberculose humana3–7.

A identificação laboratorial do complexo Mycobacterium tuberculosis (MTC) possibilita o diagnóstico clínico de Tuberculose. Pertencem a este complexo, entre outras, as espécies M. tuberculosis e M. bovis. Apesar de genotipicamente muito semelhantes, o M. bovis é menos transmissível entre humanos e é intrinsecamente resistente à pirazinamida4,8,9.

Baseando-se nesta particularidade, a Direcção Geral de Saúde (DGS) publicou recentemente a Orientação n° 13/2010, em que recomenda a realização de testes de sensibilidade aos antibióticos (TSA) a todos os antibacilares de primeira linha (discriminando isoniazida, rifampicina, estreptomicina, etambutol e pirazinamida) em todos os isolados do complexo M. tuberculosis e posterior diferenciação de subespécie sempre que se encontra um isolado com resistência à pirazinamida10. É de salientar que a Circular Normativa n° 9/DT da DGS, em vigor desde o ano 2000, sobre a realização de TSA aos antibacilares de primeira linha, não especifica os fármacos11.

Este antibiótico, no que concerne ao diagnóstico laboratorial, não se encontra no lote de antibacilares a serem primeiramente testados, apesar de geralmente ser usado nos esquemas terapêuticos de primeira linha12. A execução deste teste requer alterações na metodologia laboratorial em relação aos restantes, uma vez que este fármaco é activo apenas em ambiente ácido. Este teste é realizado, em diversos laboratórios, sempre que ocorre resistência a pelo menos um dos restantes antibacilares de primeira linha.

As mais recentes recomendações internacionais, tanto da OMS como do Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças (ECDC), desaconselham a inclusão deste fármaco no lote dos antibacilares a serem testados rotineiramente. Ambas as organizações apontam para resultados pouco reprodutíveis e, portanto, pouco fiáveis. A OMS destaca o seu elevado custo12,13.

Tendo como base o preço de venda à Administração Regional de Saúde do Norte dos reagentes em kit necessários para a execução de TSA, através de um sistema de culturas em meio líquido (BACTEC MGIT 960, Becton and Dickinson, Maryland, USA), foram calculados os custos unitários destas análises. O teste de sensibilidade à pirazinamida custa cerca de 45€, quase o triplo do valor de cada um dos restantes TSA de primeira linha. Para uma avaliação do custo total de um teste seria necessário adicionar o acréscimo do tempo dispendido, bem como custos com outros reagentes e material de laboratório diverso, por exemplo: meios de suspensão, álcool etílico, água bidestilada, pontas para micropipetas, seringas, agulhas, etc.

Tendo em conta a realização, devido a esta Orientação da DGS, a nível nacional, de milhares de testes de sensibilidade à pirazinamida por ano, estará devidamente justificado, o gasto acrescido de centenas de milhares de euros?

Para uma resposta negativa, além das recomendações internacionais, também contribuem estudos que referem que o rastreio do M. bovis, tendo como base a monorresistência à pirazinamida, apresenta um baixo valor preditivo positivo, ou que revelam a existência de estirpes de M. bovis com outros padrões de resistência antibacilar14,15.

A Orientação n° 13/2010da DGS baseia-se, entre outras justificações, no aumento significativo da tuberculose bovina, no entanto, salienta igualmente que a infecção por M. bovis em seres humanos é, hoje em dia, praticamente restrita aos grupos de risco. Assim sendo, seria de grande interesse a aposta em novas estratégias de prevenção, tal como uma melhor comunicação entre os organismos que trabalham em saúde veterinária e em saúde humana, com o intuito da referenciação de utentes mais susceptíveis de contrair a doença. O teste de sensibilidade à pirazinamida executado em isolados provenientes de amostras destes utentes seria assim potencializado e melhorada a sua relação custo/benefício.

Conflito de interesses

O autor declara não haver conflito de interesses.

Bibliografia
1
World Health Organization
Expert Committee on Tuberculosis – report on the fifth edition
WHO, (1950)
2
L.M. O’Reilly,C.J. Daborn
The epidemiology of Mycobacterium bovis infection in animals and man: a review
Tuber Lung Dis, 76 (1995), pp. 1-46
3
C.J. Majoor,C. Magis-Escurra,J. van Ingen,M.J. Boeree,D. van Soolingen
Epidemiology of Mycobacterium bovis disease in humans, the Netherlands, 1993-2007
Emerg Infect Dis, 17 (2011), pp. 457-463 http://dx.doi.org/10.3201/eid1703.101111
4
R. de la Rua-Domenech
Human Mycobacterium bovis infection in the United Kingdom: Incidence, risks, control measures and review of the zoonotic aspects of bovine tuberculosis
Tuberculosis, 86 (2006), pp. 77-109 http://dx.doi.org/10.1016/j.tube.2005.05.002
5
P.R. Ingram,P. Bremner,T.J. Inglis,R.J. Murray,D.V. Cousins
Zoonotic tuberculosis: on the decline
Commun Dis Intell, 34 (2010), pp. 339-341
6
E. Rodríguez,L.P. Sánchez,S. Pérez,L. Herrera,M.S. Jiménez,S. Samper
Human tuberculosis due to Mycobacterium bovis and M. caprae in Spain, 2004-2007
Int J Tuberc Lung Dis, 13 (2009), pp. 1536-1541
7
M.C. Hlavsa,P.K. Moonan,L.S. Cowan,T.R. Navin,J.S. Kammerer,G.P. Morlock
Human tuberculosis due to Mycobacterium bovis in the United States, 1995-2005
Clin Infect Dis, 15 (2008), pp. 168-175
8
S. David,C. Portugal,A. Antunes,A. Cardoso,A. Calado,V. Barros
Molecular identification using Spoligotyping of strains from the Mycobacterium tuberculosis complex isolated from the Hospital Fernando Fonseca
Rev Port Pneumol, 10 (2004), pp. 195-204
9
S. David,C. Portugal,A. Antunes,A. Calado,A. Cardoso,V. Barros
Spoligotyping and pncA polymorphism: a two step scenario for Mycobacterium bovis diagnosis in Portugal
Rev Port Pneumol, 11 (2005), pp. 533-556
10
Direcção Geral de Saúde. Vigilância da tuberculose zoonótica por Mycobacterium bovis em seres humanos. Orientação n° 13/2010 de 7-12-2010.
11
Direcção Geral de Saúde. Resistência aos antibióticos em Tuberculose. Circular Normativa n° 9/DT de 29-05-2000.
12
European Centre for Disease Prevention and Control
Mastering the basics of TB control: Development of a handbook on TB diagnostic methods
ECDC, (2011)
13
World Health Organization. Guidelines for surveillance of drug resistance in tuberculosis – 4ª ed. WHO/HTM/TB/2009.422.
14
B.C. de Jong,A. Onipede,A.S. Pym,S. Gagneux,R.S. Aga,K. DeRiemer
Does resistance to pyrazinamide accurately indicate the presence of Mycobacterium bovis?
J Clin Microbiol, 43 (2005), pp. 3530-3532 http://dx.doi.org/10.1128/JCM.43.7.3530-3532.2005
15
T. Kubica,R. Agzamova,A. Wright,G. Rakishev,S. Rüsch-Gerdes,S. Niemann
Mycobacterium bovis isolates with M. tuberculosis specific characteristics
Emerg Infect Dis, 12 (2006), pp. 763-765 http://dx.doi.org/10.3201/eid1205.050200
Copyright © 2011. Sociedade Portuguesa de Pneumologia
Rev Port Pneumol 2012;18:188-9 - Vol. 18 Num.4 DOI: 10.1016/j.rppneu.2011.12.002
Cookies Policy
x
To improve our services and products, we use cookies (own or third parties authorized) to show advertising related to client preferences through the analyses of navigation customer behavior. Continuing navigation will be considered as acceptance of this use. You can change the settings or obtain more information by clicking here.