Pulmonology Pulmonology
Rev Port Pneumol 2013;19:139-40 - Vol. 19 Num.3 DOI: 10.1016/j.rppneu.2012.12.005
Carta ao Editor
Mycobacterium tuberculosis, quanto tempo passeaste?
Mycobacterium tuberculosis, how long did you walk?
V. Areiasa,, , I. Nevesb, A. Carvalhoc,e, R. Duartec,d,e,f,g
a Serviço de Pneumologia, Hospital de Faro, Faro, Portugal
b Serviço de Pneumologia, Hospital de São João, EPE, Porto, Portugal
c Centro de Diagnóstico Pneumológico de Vila Nova de Gaia, Vila Nova de Gaia, Portugal
d Centro de Referência de Tuberculose Multi-resistente da Região Norte, Vila Nova de Gaia, Portugal
e Serviço de Pneumologia, Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia, Vila Nova de Gaia, Portugal
f Faculdade de Medicina, Universidade do Porto, Porto, Portugal
g Instituto de Saúde Publica, Universidade do Porto, Porto, Portugal

A tuberculose (TB) permanece um importante problema de saúde pública. Em 2010, verificou-se uma incidência a nível mundial de 8,8 milhões e uma mortalidade de 1,4 milhões1.

O diagnóstico e início da terapêutica precocemente é crucial para um programa de controlo da TB eficaz. O atraso no diagnóstico aumenta o risco de morte e de transmissão de TB na comunidade2.

O objetivo do nosso trabalho foi determinar o tempo decorrido desde o início dos sintomas até à primeira observação por um profissional de saúde e o tempo desde a primeira observação por um profissional de saúde e o diagnóstico.

Foi concebido um questionário e aplicado a todos os doentes com tuberculose ativa, seguidos no Centro de Diagnóstico Pneumológico (CDP) de Vila Nova de Gaia, nos meses de Maio a Junho de 2012. Os dados foram complementados por consulta do processo clínico.

Durante o período de estudo foram incluídos 54 doentes, 37 (68,5%) do género masculino, com uma média etária de 48,5±14,2 anos.

O diagnóstico foi realizado por rastreio de sintomas em 50 doentes (92,6%), no decurso da investigação de alterações radiológicas em 3 doentes (5,6%) e por rastreio de contatos num doente (1,8%).

O primeiro local de saúde a que os doentes se dirigiram para serem observados foi: 20 doentes (37%) ao Serviço de Urgência, 17 doentes (31,5%) ao médico assistente, 9 doentes (16,7%) a uma consulta hospitalar, 3 doentes (5,5%) a uma consulta privada, 3 doentes (5,5%) ao CDP e 2 doentes (3,7%) a uma farmácia.

O tempo médio desde o início dos sintomas e a primeira observação por um profissional de saúde foi de 37±47 dias. Em média o doente foi a 3,2 consultas até ser realizado o diagnóstico de TB.

Os doentes com sintomas de anorexia e emagrecimento, em média, demoraram mais tempo a dirigirem-se ao médico do que os restantes (53,5 versus 18,5 dias, p=0,01 e 51,7 versus 12,1 dias, p=0,002, respetivamente).

Não foi observada uma associação entre o atraso no diagnóstico e as seguintes variáveis: género, idade, nível educacional, toxicodependência e infeção pelo vírus de imunodeficiência humana.

Dos 50 doentes com sintomas, 25 demoraram menos do que 15 dias a serem observados por um profissional de saúde e os restantes demoraram mais do que 15 dias. Os doentes que demoraram menos do que 15 dias a procurarem um profissional de saúde, foram principalmente ao Serviço de Urgência (48%), enquanto os doentes que demoraram mais do que 15 dias foram observados principalmente por um clínico geral (52%, p=0,027).

O tempo médio desde a primeira consulta e o diagnóstico foi de 56±87 dias (mínimo: um dia, máximo: 512 dias). Os doentes com sintomas respiratórios tiveram em média um diagnóstico mais rápido do que os restantes (37,9 versus 127 dias, p=0,013).

Em 21 doentes o diagnóstico foi realizado num tempo inferior a 15 dias. Na maioria dos doentes em que o diagnóstico foi realizado em menos do que 15 dias, estes foram, na sua maioria, observados inicialmente no Serviço de Urgência (57,1%). No grupo de doentes em que o diagnóstico demorou mais do que 15 dias, estes foram observados principalmente pelo clínico geral (39,4%, p=0,026).

O tempo médio desde o início dos sintomas e o diagnóstico foi de 92±103 dias (mínimo: 3 dias, máximo: 559 dias).

No nosso estudo observámos uma elevada demora desde o início dos sintomas e o doente ser observado pela primeira vez por um profissional de saúde. Em países subdesenvolvidos/em desenvolvimento esta demora é em média de 31,7 dias e nos países desenvolvidos de 25,8 dias3,4. No nosso estudo obtivemos uma demora média semelhante aos países subdesenvolvidos/em desenvolvimento.

Observámos um atraso inaceitável entre a primeira observação por um profissional de saúde e o diagnóstico. O tempo médio descrito em países subdesenvolvidos/em desenvolvimento é de 28,4 dias (2-87 dias) e em países desenvolvidos é de 21,5 diash (7-36 dias)3,4. No nosso estudo obtivemos uma demora superior à descrita na literatura.

Estes resultados sugerem a necessidade de rever/implementar estratégias no sentido de ser realizado um diagnóstico mais precoce da TB. O atraso no diagnóstico da TB vai ter influência na dinâmica de transmissão e prevenção da TB.

Por outro lado, é importante realizar programas educacionais para a população, para que os doentes reconheçam os sintomas de TB e procurem um profissional de saúde mais precocemente.

Responsabilidades éticasProteção de pessoas e animais

Os autores declaram que para esta investigação não se realizaram experiências em seres humanos e/ou animais.

Confidencialidade dos dados

Os autores declaram que não aparecem dados de pacientes neste artigo.

Direito à privacidade e consentimento escrito

Os autores declaram que não aparecem dados de pacientes neste artigo.

Autoria

Raquel Duarte e Vanda Areias desenharam o estudo. Vanda Areias elaborou a primeira versão do artigo. Vanda Areias e Inês Neves recolheram os dados. Raquel Duarte e Aurora Carvalho reviram o artigo.

Conflitos de interesse

Os autores declaram não haver conflito de interesses.

Bibliografia
1
World Health Organization (WHO). Global tuberculosis control, WHO report 2011. 2011 [consultado 11 Dez 2012]. http://www.who.int/gtb/publications
2
M. Maior,R. Guerra,M. Cezar,J. Golub,M. Conde
Tempo entre o início dos sintomas e o tratamento de tuberculose pulmonar em um município com elevada incidência da doença
J Bras Pneumol, 38 (2012), pp. 202-209
3
C.T. Sreeramareddy,K.V. Panduru,J. Menten,J. van den Ende
Time delays in diagnosis of pulmonary tuberculosis: A systematic review of literature
BMC Infect Dis, 9 (2009), pp. 91 http://dx.doi.org/10.1186/1471-2334-9-91
4
A. Machado,R. Steffen,O. Oxlade,D. Menzies,A. Kritski,A. Trajman
Fatores associados ao atraso no diagnóstico da tuberculose pulmonar no estado do Rio de Janeiro
J Bras Pneumol, 37 (2011), pp. 512-520
Autor para correspondência. (V. Areias vandareias@hotmail.com)
Copyright © 2012. Sociedade Portuguesa de Pneumologia
Rev Port Pneumol 2013;19:139-40 - Vol. 19 Num.3 DOI: 10.1016/j.rppneu.2012.12.005
Cookies Policy
x
To improve our services and products, we use cookies (own or third parties authorized) to show advertising related to client preferences through the analyses of navigation customer behavior. Continuing navigation will be considered as acceptance of this use. You can change the settings or obtain more information by clicking here.